Bem-vindos à era da transformação do mercado de embalagem

É nítido o movimento do setor de embalagens: a tendência é diminuir cada vez mais o uso do plástico e migrar para insumos mais responsáveis na relação com o meio ambiente

Convidamos você a reviver alguns episódios do seu cotidiano. Vamos nessa? Você chega na lanchonete, pede um cafezinho e ele chega em um copo de plástico; o suco idem. Muitas vezes a colher é do mesmo material. Na padaria, o pão nosso de cada dia é acondicionado em um saco de papel que vai dentro do saco plástico descartável. No supermercado, os produtos saem das gôndolas e caem direto nas sacolinhas plásticas. Na realidade, pensando bem, o plástico descartável é onipresente.   

Pensando melhor ainda já é possível fazer com que as pessoas reflitam sobre como os seus hábitos de consumo estão afetando o futuro do planeta. Segundo o Ministério do Meio ambiente (MMA), os brasileiros geram por ano, mais de 70 milhões de toneladas de resíduos sólidos, sendo 19 milhões de recicláveis, e destes resíduos, 45% são plásticos.

Já os dados da Organização Mundial das Nações Unidas (ONU) alertam que, se não mudarmos nossos hábitos, em 2050 haverá mais plásticos do que peixes nos oceanos. Para piorar, a média de reciclagem nas cidades brasileiras é de apenas 2% do volume global que deveria ser reciclado. Ou seja 98% ainda é perdido, indo parar em bueiros, rios, lagos, mares, oceanos, lixões e aterros. Cientistas renomados afirmam que se não mudarmos a forma de pensar e agir, o planeta pode entrar em um estado irreversível em 12 anos. É pouco tempo, não acha? Temos muita vida pela frente. Assim seja!  

Agora, cá entre nós, nem tudo está perdido. Chegou a hora de enxergar com outros olhos. É notável que o comportamento e o interesse dos consumidores estão mudando. E, consequentemente, as marcas precisam entender as novas exigências dos consumidores.

Vamos pegar carona na pesquisa de mercado da Euromonitor International que revelou as principais tendências de consumo em 2019.  Assinada por Alison Angus e Gina Westbrook, a pesquisa Global Consumer Trends 2019, publicada em primeira mão no site da EXAME, evidenciou que o grande barato da sociedade atual é o desafio de saber dar sentido a tudo.

Ainda de acordo com o estudo, a sociedade deseja se ver livre da “escravidão do plástico”. Os consumidores estão bem mais atentos e rejeitam produtos cuja embalagem plástica é descartada com apenas um uso. Mesmo assim, atualmente 63% das embalagens de produtos como alimentos, produtos de beleza e produtos para o lar ainda usam o plástico como matéria-prima principal.

Enfim, mas gradativamente, os consumidores estão se tornando mais exigentes ao solicitar reciclagem, reuso e consumo consciente. Chegamos ao xis da questão agora. E, pelo andar da carruagem, é uma questão favorável à impressão.

Sim, essa preocupação com o uso exacerbado do plástico – e suas consequências negativas ao ambiente -, fortalece os músculos do setor de produção de embalagens. O papel, por exemplo, que é uma matéria-prima proveniente de fontes renováveis, e que não prejudica o meio ambiente, surge com força absoluta.

Há em pauta a evidente tendência para a criação de embalagens diferenciadas e exclusivas e que, definitivamente, não prejudiquem o ambiente. Surge então a Ápice Artes Gráficas que tem como prioridade criar soluções que ofereçam nível máximo de satisfação aos clientes, desde a concepção do projeto até a entrega. A gráfica, que possui mais de 40 anos de experiência na produção de embalagens, conta com a primeira impressora da América Latina a alcançar 20 mil folhas por hora. O parque gráfico da Ápice reúne o que há de mais moderno na pré-impressão, impressão e acabamento.


Com mais de 40 anos de experiência na produção de embalagens, a Ápice não para de investir: a gráfica conta com a primeira impressora da América Latina a alcançar 20 mil folhas por hora

Sempre atenta aos movimentos de mercado, a Ápice se preparou para atender as novas demandas de produção de embalagens. Ao longo dos anos, na base de aprendizado e aperfeiçoamento constantes, a gráfica criou uma cultura de responsabilidade mútua entre seus colaboradores. Ao incentivar a reação rápida, para os possíveis problemas que surgem durante a produção, a empresa expandiu a experiência dentro do conceito de gráfica 4.0.

A estrutura de produção está muito bem preparada para imprimir diferentes tipos de substratos como papel cartão duplex, tríplex, microondulado, polipropileno entre outros. Localizada no município de São Caetano do Sul (SP), a Ápice começa a implantar novos conceitos de produção 4.0 para aumentar o valor agregado aos seus clientes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *